Google+ Followers

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Estou de volta!



Durante muitos anos fui criticada pela forma em que tratava minhas relações, sem muito compromisso, apenas brindando a vida.Nunca sofri com isso, tenho que confessar que as vezes batia aquela pontinha de vontade de firmar compromisso com alguém, mas depois eu caía no mundão e passava.
Em 2012 resolvi mudar minha vida um pouco, pois acabei de me formar e já tinha curtido todas na faculdade, mas encontrar alguém que combine comigo, principalmente na maluquice é algo bem difícil, pois a maioria dos homens querem aquela mulherzinha meiguinha e meio dependente.
Em uma noite qualquer nem São Sebastião, eu encontro um rapaz amigo meu, também militante do PT e que paquerávamos já algum tempo, começamos a ficar e foi muito bom, tivemos aquela famosa "química".
Comecei a pensar nele de uma forma diferente, mas sabia que ele era meio enrolado com uma mulher aí, então fiquei só na "pegação" mesmo, mas a "parada" ficou tão boa que começamos a nos encontrar todos os dias, nos divertimos muito até o momento que ele pediu para namorar.Ele havia resolvido sua vida com a ex, então eu aceitei.A partir do momento que ele pediu pra namorar as coisas começaram a andar meio mal.
Eu não sou uma pessoa ciumenta, mas se você firma um compromisso com alguém, você deve pelo menos uma satisfação... "Onde vai", "com quem vai", tem que dar uma atenção, mesmo estando longe.Odeio grude, mas gosto de algum sinal de vida, pelo menos para não fique imaginando besteiras...
Em uma semana, uma relaçao super bacana se transforma em estresse e angústia. Eu errei, pois me entreguei demais e acabei me decepcionando, mas ainda bem que da mesma maneira que começou rápido, acabou rápido.Melhor assim, pra evitar maiores sofrimentos...
Apesar desse meu jeito meio maluco eu gosto de ser bem tratada e principalmente, gosto de ser amada, mesmo que seja momentâneo...
Agora é tentar superar esta minúscula dor de amor que desponta do meu coração, mas isso é fácil...Boemia, voltei com tudo!


O nosso amor a gente inventa
Pra se distrair
E quando acaba a gente pensa
Que ele nunca existiu...
(Cazuza)


Karla Ramalho

REGRA



Sorte no jogo

Azar no amor!

Sempre que tento mudar as regras

O dado me conduz

Para uma casa incerta

Com paredes frágeis

E em sua essência

Histórias mal contadas.

Que recomece

Pois nesse jogo

Sou craque

E a sorte

A sorte é um benefício

Que se goza sozinho.


Karla Ramalho