Google+ Followers

domingo, 23 de dezembro de 2012

PASSADO:É lá que ele tem que ficar...



É fato que quando a gente fica sozinha por muito tempo e não consegue encontrar alguém legal na vida, sempre queremos voltar ao passado,voltar para  aquelas  nossas relações a qual  fomos felizes por um certo período, mas que por algum motivo acabou.
 O que se viveu no passado não volta mais e se você insistir, vai perceber que as pessoas mudam e essa mudança não se adapta a você. Fiz isso um dia desses...Tentei reviver o passado achando que poderia recuperar tudo aquilo que me fez feliz um dia. Acho que essa minha vida de trabalho intenso também contribuiu para que tomasse essa atitude, tenho andado meio triste e estressada, ultimamente.
            Semana passada viajei pra Goiânia para rever alguns amigos e resolver algumas coisas do partido (PT), só que o  meu “ex amor” mora nessa cidade, com isso, a todo momento eu fiquei a imaginar que poderia encontrá-lo por lá e foi isso que fiz.Só que esse encontro não foi por acaso,pois  eu que entrei em contato com ele.Entrei em contato, mas com aquele  "frio na barriga", pois a gente nunca deixa de gostar de alguém, todo sentimento apenas adormece dentro de nós, nunca morre.
           O contato foi o melhor possível, disse a ele que estava indo pra Goiânia e o convidei para tomar uma cerveja, conversar e tal.Ele adorou  a idéia, falou para ligar pra ele quando chegasse na cidade.No entanto, passei a semana pensando nisso, contando os minutos pra chegar o fim de semana e ir pra Goiânia.
Chegou sexta e depois do trabalho eu partir.Duas horas depois eu já estava na capital de Goiás. Fui direto para casa da minha prima e liguei pra ele imediatamente. Depois de uma hora ele foi me buscar.
Engraçado a sensação!!!Senti novamente aquele "frio na barriga". Ele tava me esperando dentro do carro, entrei, nos abraçamos, ele comentou do meu cabelo, disse que tava bonita, diferente.Pra mim, ele continuava do mesmo jeito, o mesmo perfume, a camisa social, cabelinho penteado pro lado, só  que agora com aparelho nos dentes.No rádio tocava Janis Joplin, fiquei pensando se poderia ser proposital, porque ele sempre soube que sou  fã da Janis.
 De repente,ele me beijou.O carro estacionado ali e nós nos beijando dentro dele.O mesmo beijo, mesmo com aparelho, o mesmo beijo.
Como sempre ele me levou para um barzinho bem legal, onde vendia umas cervejas importadas, bebemos várias, entre várias conversas sobre nossas vidas e sempre relembrando o passado.Foi ótimo!
Saímos de lá super “altos”, começamos a transar no carro mesmo.Sexo oral, masturbação, carro andando, perigo, adrenalina e por aí vai...
O mesmo quarto, a mesma cama de antes, o sonzinho rolando no computador, luz do banheiro acesa, transamos super chapados, loucura total...O sexo matinal, ele tomando banho enquanto eu escovava os dentes, ele amarrando meu vestido, eu arrumando a gola da blusa dele.Para mim aquela noite e aquela manhã poderia ter durado a vida toda.
Me deixou na casa de uns amigos, prometeu me ligar para sairmos depois...Demorou a ligar, mandei mensagem e nada.Resolvi sair com minha prima, bebi todas, não tava triste, mas bebi todas.Pra falar a verdade...EU ASSUMO!!! Tava triste pra caralhoooo!!!Tentava colocar na minha cabeça que só foi um sexo casual e eu estou super acostumada com isso, mas estava triste, não queria, mas estava...
23:45 e  depois de 5 caipirinha, 4 Stellas, ele me liga: Pergunta onde eu estou e dentro de meia hora ele aparece.Vi meu passado vindo em minha direção.Eu, bêbada, EXTRAVAZEI!!!!Perguntei por que ele não me ligou mais cedo, onde ele estava  e todas essas cobranças de relacionamentos.Ele ficou explicando, mas nem prestei atenção direito...Pra mim não importava, eu não tinha esse direito e nem ele a obrigação, aliás ele não era mais meu namorado.
De um dia para o outro tudo mudou. Olhei para ele, o meu passado que um dia foi presente e que tentei para que fosse o meu futuro, mas não foi.
Passado fica no passado, no baú das minhas boas lembranças que não pode ser mexido, mas  vai ficar guardado, vai ficar,se mexer nele, pode estragar.
Mas não me arrependo do que vivi, do que fiz, só sei que agora não posso exigir nada de alguém que não faz mais parte da minha vida.
Final do “fim de semana”, eu voltando para Brasília, depois de ter fumado aquela “ponta” esquecida no estojo de maquiagem e no fone de ouvido a música:

“Mas você lembra!
Você vai lembrar de mim
Que o nosso amor valeu a pena
Lembra é o nosso final feliz
Você vai lembrar...
Vai lembrar...sim...
Você vai lembrar de mim...”(Nenhum de nós)

Karla Ramalho