Google+ Followers

domingo, 28 de dezembro de 2014

ALÉM


 

Decifra-me ...
Enxergue- me além
Sinta -me
Descubra o meu melhor
O meu mistério

  Não queira apenas isso que estar posto na bandeja.
Esqueça que só existe seu falo
Pense com a cabeça que está acima.
Despeje seu néctar
Mas saiba saborear o dia seguinte.
 
Não sou válvula de escape
Para seus ataques epiléticos
Sou desejo, pele
E um coração que continua quente.
 
 
Aproxime as distâncias
Faça valer à pena os momentos cronometrados
Enxergue além das migalhas que oferece
Prazer também se dá e se faz
Além da cama.
 
(Karlinha Ramalho)

Sobre aquela noite...

 
 
 
"É claro que eu não acreditei
     Nas coisas que você me disse naquela mesa de bar
Mas que foi divertido, foi
Velhas mentiras de amor..."
 
 
(Karlinha Ramalho)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

No por enquanto...


 
Sei guardar um único momento
Com o mesmo valor de uma longa história de amor
Sou capaz de te amar loucamente em uma noite...

E te eternizar no meu diário
Guardar você no meu baú de memórias e abrir de vez em quando
 Só por curiosidade.
Mesmo tendo a profunda certeza que não será como antes.

 (Karlinha Ramalho)

Reaproveitando a dor!


Eu reaproveito a mágoa que tenho de ti
Transformo tudo em verso.
 
Prefiro você assim!
Não quero lembrar do que você se tornou pra mim.
 
Te deixo assim
Em forma de poesia.
 
É o meu jeito de superar
Me sentir menos vazia.

 (Karlinha)

Sou muito mais..

"Não sou válvula de escape
Para seus ataques epiléticos
Sou pele, desejo, beijo
E um coração que continua quente...
 
(Karlinha Ramalho)

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Quase desconhecido


Gostei do seu jeito, meio calado, tímido, mas que me olhava de um jeito que ficava desconconsertada. Você continuava olhando.Eu no meu canto, você no seu.Toda hora nossos olhares se cruzando.Não me aproximei de você, nem você de mim.

Outro dia. Um rock rolando na cidade.Muita gente, muito barulho, muita luz.

Eu já muito bêbada te vejo encostado no balcão, então, caminho até o balcão, eu te olhando, você me olhando. Chego perto de você e sem dizer uma palavra, te dou um beijo...Ficamos ali um tempinho nos beijando encostados no balcão. Quanta intimidade! Quanta química!  Não queria sair do seu beijo, se pudesse ficaria horas naquele beijo.

Você pegou minha mão, me levou pra outro lugar.Nos apresentamos, sorrimos, continuamos nos beijando.Percebeu que eu já tinha bebido muito, mais do que devia.Me convidou pra ir à sua casa, morava longe e estava a pé.Aceitei!

Longo caminho.Eu dando um pouco de trabalho por conta da bebida, nós dois conversando, atravessando a  cidade em uma madrugada de sábado para domingo.Passamos na farmácia 24 horas pra comprar camisinha e seguimos.  Cheguei em sua casa e não fiz nada. Capotei! Acordo com você abraçado a mim. Começo a te beijar e faço com um “quase desconhecido” um dos melhores sexos da minha vida.

Fiquei impressionada com sua disposição pra transar.Mete por trás, ao mesmo tempo que beija minhas costas. Me vira de frente,mete em mim,  segurando a minha mão. Transa beijando. Foi o dia inteiro. Êxtase!

Por fim, seis camisinhas no chão e dois corpos encharcados de suor.Poderia morrer ali, fazendo o  último ritual dos Deuses.

É nessas madrugadas que encontramos “divindades”.      

Dormimos de novo. O sonzinho continuou rolando...

Davie Bowie acompanhou tudo!
Karlinha Ramalho

sábado, 30 de agosto de 2014

Livre e viva!

Nas nossas trepadas mal dadas
O que salvava minha noite
Era o cigarro que achava em cima da mesa
E o Gonzaguinha na trilha.
Não sei como sobrevivi até aqui
Sem um orgasmo decente
Ainda bem que me salvei.
Hoje, livre e viva!

Karlinha Ramalho

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Inverno

"E esse meu coração vadio
Que fica tão carente
Nas noites de frio..."

terça-feira, 1 de julho de 2014

Você&Eu

No mundo
De declarações de amor digitadas
Não perco o hábito
De deixar um bilhetinho na geladeira
Quando fujo na madrugada

No mundo
De mensagens de "zap"
Não perco o hábito
De ligar pra você
E dizer que estou com saudades

No mundo
De amores modernos
Não perco o hábito
De dizer
Que só quero você por perto.

Karlinha Ramalho


(Saiu de repente, nada de histórias novas, por enquanto)

domingo, 18 de maio de 2014

Não permita...

Não permita que retome os amores do passado.Preciso de um novo perfume, novos ares, novos beijos.Não quero trazer do passado um " eu te amo" vazio...Não quero viver tudo de novo!Permita-me olhar para frente e ponto!
EU SOU MAIS FORTE QUE MINHA CARÊNCIA!!

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Para James!

Porque ouvir James Morrison me faz ficar romântica de repente.Já que atualmente não estou vivendo nenhuma história de amor, o jeito é remoer amores antigos, pois a minha necessidade de viver apaixonada é tanta que me permito catar as migalhas do passado só pra sentir meu coração palpitar diferente.Enquanto nada aparece, vou vivendo com o que a saudade deixou pra mim.Só assim pra dormir suspirando.Quem sabe isso me traga sorte....Estou aqui dando “sinal de fumaça” para que o amor me ache.Tomara!

O que nos resta...

Antes, éramos um só
Inteiros...
Agora
Somente metades
Meia parte de qualquer coisa
Meias palavras
Desvio de olhar
Bloqueio de sentimento
Antecipação de saudade.


Karlinha Ramalho

Furo!

Retorno pra casa
Em um sábado à noite chuvoso
Para-brisa de um lado para o outro
Vinho seco
No banco do passageiro
E uma confusão no pensamento.
Retorno
Sem soluços
Sem palavras.


Karlinha Ramalho

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Papo reto!

Eu: - Alô! Oi gatinho, tudo bem?Passa aqui hoje, estou tão carente...
Ele: - Pô, gatinha!Hoje estou cansadão.Posso passar amanhã?
Eu: - Ah sim!Também estou um pouco cansada.Deixa eu te mandar uma foto do meu cansaço,  olha no Whatsapp(ver foto ao lado).
Ele: - Uau!Chego aí em quinze minutos.

MORAL: Eu sou apelona pra caramba.

ps: história real.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Perigo!


Meu cupido 
É um bêbado
De olhos vendados

Eu que aguente
As conseqüências
De um amor
Fruto de uma flechada incerta.

Minha estrada segura
É uma corda 
Atravessando o abismo

E meu coração
Uma bomba relógio 
Que carrego nas mãos...

Karlinha Ramalho

O que restou...

Não “agüentava” mais de “uma”, mas a que “dava” valia por muitas. Me deixava em êxtase e ao mesmo tempo sem força.
Dormia logo em seguida, gostava de dormir abraçado. Prendia-me em seus braços e eu ficava sem ter pra onde fugir. Ficava alguns minutos ali, presa. Não me importava!Gostava de sentir sua pele junto a minha, sentir o seu cheiro, sua respiração forte. Ainda bem que não roncava!
Pela manhã, eu acordava do outro lado da cama. Não sei como ia parar ali, mas apenas dormindo eu me libertava. A primeira coisa que fazia era subir em cima dele e garantir o sexo da manhã, o sexo dos Deuses, o sexo da juventude, o sexo do Bem Viver.
Transávamos ainda inebriados do sono, mas era bom, era intenso...Estou demorando a  ter a energia que sentia quando transava com ele.
Resta-me fotografias, desejos noturnos, prazeres solitários...

Karlinha Ramalho

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Só por hoje...

Durma comigo esta noite
Beije-me
Diga que me ama
Mesmo eu tendo plena consciência
De suas mentiras
Que são apenas palavras soltas.
Eu permito que me abandone pela manhã
Deixe que eu sofra um pouco
Pois preciso escrever
Os meus mais belos poemas
De amor!


Karlinha Ramalho